A Aliança Terapêutica (AT) é uma das variáveis envolvidas em processos terapêuticos associadas à qualidade dos resultados. É um fator fundamental para análise das psicoterapias, uma vez que não é exclusiva de determinada escola teórica. Ademais é pré-condição para o sucesso do processo psicoterápico. Já os mecanismos de defesa, de acordo com a teoria psicanalítica, funcionam em um nível inconsciente, tendo como função ajudar o indivíduo a manter o equilíbrio interno com níveis toleráveis de ansiedade. Foi estabelecido como objetivo: avaliar as mudanças na AT e no nível de maturidade defensiva de um paciente em psicoterapia breve psicodinâmica (PB), procurando associá-las aos resultados obtidos. O processo foi conduzido por um membro do grupo de pesquisa com experiência clínica de mais de trinta anos, transcrito a partir de gravações de vídeo. Participante: sexo feminino, 50 anos, dona de casa, amasiada, ensino fundamental incompleto; atendida na Clínica de Psicologia da PUC-Campinas, encaminhada pelo serviço de psiquiatria com a queixa de luto recente. Para análise da AT utilizou-se as Escalas para Avaliação da Aliança Terapêutica – EsAAT, compostas de Escala de Colaboração (EC) e Escala de Variáveis Mediadoras (EVM) aplicadas às sessões pares do processo, obteve-se escores entre quatro e cinco para todas as variáveis, indicando que desde o inicio houve uma boa aliança terapêutica. Para a Escala de Avaliação dos Mecanismos de Defesa - DMRSs (Defense Mechanism Rating Scales) a paciente passou do nível de evitação, em que as defesas utilizadas impediam-na de entrar em contato com o seu sofrimento, para o nível narcísico, considerado mais maduro. A análise da Escala de Resultados - ER apontou escore total 9 (muito melhor). Os instrumentos utilizados auxiliaram na compreensão do caso clínico, ao avaliar as mudanças do paciente sensivelmente em cada sessão. Os escores permitiram quantificar os constructos que os testes se propunham avaliar Ao continuar o processo de mudança iniciado com a psicoterapia, é plausível supor evolução para níveis defensivos ainda mais adaptativos, o que deverá ser verificado em uma entrevista de follow-up.

 

Título: Aliança terapêutica e maturidade dos mecanismos de defesa em psicoterapia breve psicodinâmica
Autores: Ítor Finotelli Jr.; Elisa Medici Pizão Yoshida
Palavras-Chave: avaliação de psicoterapia; critérios de indicação de psicoterapia; resultado de psicoterapia
Categoria: Trabalhos publicados em eventos científicos

 

Referência: Finotelli Jr., I., & Yoshida, E. M. P. (2006). Aliança terapêutica e maturidade dos mecanismos de defesa em psicoterapia breve psicodinâmica. Trabalho apresentado no XI Encontro de Iniciação Científica. PROPESQ, 2006, 126-126.


Psicoterapia Sexual® por Dinamicsite 2011 - 2017