A atenção dos profissionais de saúde que se propõe a tratar de queixas ejaculatórias tem percebido maior discussão sobre a ejaculação precoce, o que tem conduzido mais pacientes a ingressarem ao consultório querendo modificar este comportamento sexual. Utilizando o Inventário de Sexualidade Masculina – Forma EPII em um grupo de 52 pacientes, os autores descrevem esta população de homens que hoje procuram tratamento em clínicas de psicoterapia com enfoque na sexualidade. Homens com idade média de 32 anos, casados e com educação superior. São homens que percebem perder a ereção após a ejaculação e reconhecem que algum problema emocional interfere com o ato sexual (47%) ou a preocupação com o ato sexual, às vezes acho que não vou conseguir (35%), mas o cansaço (26%) e o excesso de trabalho (26%) também são percebidos como interferências na atividade sexual. Reconhecer outras populações e estratos sociais com a mesma queixa deve permitir comparações e novas compreensões de como facilitar os tratamentos desta dificuldade sexual que recebe influências educacionais e sociais.

 

Título: Como é o ejaculador precoce que procura tratamento
Autores: Oswaldo Martins Rodrigues Jr.; Ítor Finotelli Jr.; Diego Henrique Viviani
Palavras-Chave: ejaculação precoce; ejaculação rápida; etiologia; inventário sexual
Categoria: Artigos publicados em periódicos científicos
 

Referência: Rodrigues Jr., O. M., Finotelli Jr., I., & Viviani, D. H. (2009). Como é o ejaculador precoce que procura tratamento. Revista Terapia Sexual, 12(1), 87-107.


Psicoterapia Sexual® por Dinamicsite 2011 - 2017