Nos tempos atuais é dito que existe uma liberação sexual, entretanto, Van Ussel, sexólogo holandês, define muito bem essa situação quando diz que na sociedade moderna /contemporânea, em relação ao sexo, mais se fala do que se age. É a velha distância entre a teoria (‘o falar’) e a prática (‘o que se tolera na intimidade’). Pesquisas demonstram que 25% a 63% das mulheres apresentam algum problema sexual, principalmente relacionado ao ciclo de respostas sexuais (desejo, excitação e orgasmo) sendo que muitos deles são provenientes de causas psicológicas e podem gerar sentimentos de anormalidade, baixa autoestima, problemas orgânicos e dificuldades de relacionamento. O estudo foi desenvolvido com o objetivo de entender como a mulher contemporânea articula sexualidade e prazer sexual, no sentido de auxiliar na prevenção ou melhora de problemas relacionados à sexualidade e vida sexual feminina, incentivar a qualidade de vida psíquica, emocional e sexual, bem como instigar mais estudos referentes à problemática. Participaram da pesquisa cinco mulheres com idade entre 27 a 39 anos (São Miguel do Oeste, SC), previamente selecionadas por uma médica ginecologista, a qual considerou os seguintes critérios: o grau de sofrimento psíquico e físico das pacientes causado pela disfunção sexual e a viabilidade de participarem de encontros em grupo, gravados e filmados. O método desta pesquisa é qualitativo com análise de conteúdo e a coleta de dados realizada em dois encontros num grupo focal. Da análise do conteúdo das entrevistas surgiram cinco categorias: origem da disfunção sexual, sentimentos gerados pela disfunção sexual; condições que podem manter a disfunção sexual; condição de ser mulher e o significado da participação no grupo. Tais categorias evidenciaram sentimentos de falta, incompletude, presença da repressão histórica de submissão e culpa, bem como o significado patriarcal da maternidade que parece dificultar a conexão entre a mulher-mãe e a mulher sensual/ sexual, em contrapartida, ficou manifesto um entendimento de que a mulher necessita exercer um papel mais ativo na sua vida sexual e afetiva, como também refletir e questionar sobre o que é imposto como determinação histórica e biológica nas diferenças entre os gêneros.  A pesquisa em grupo resultou em questionamentos e reflexões sobre crenças limitadoras relacionadas à sexualidade e com isso incentivou algumas mudanças de pensamento e atitude. Dessa forma, comprovou que a sexualidade necessita de mais espaços para ser refletida e esclarecida no sentido de haver uma desconstrução das concepções patológicas a ela relacionadas.

 

Título: Sexualidade Feminina: disfunções do ciclo de respostas sexuais da mulher contemporânea relacionadas a fatores psicológicos

Autores: Denise Vicente; Ítor Finotelli Jr.; Juliano Corrêa da Silva

Palavras-Chave: sexualidade feminina; disfunções sexuais; estudo de caso grupal; função sexual

Categoria: Trabalhos publicados em eventos científicos

 

Referência: Vicente, D., Finotelli Jr., I., & Silva, J. C. (2013). Sexualidade Feminina: disfunções do ciclo de respostas sexuais da mulher contemporânea relacionadas a fatores psicológicos. Trabalho apresentado no XIV Congresso Brasileiro de Sexualidade Humana. Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana, Rio de Janeiro, 101-102. 


Psicoterapia Sexual® por Dinamicsite 2011 - 2017